A Aliança para Acelerar a Excelência em Ciência na África (AESA), criada por meio de uma parceria entre a Academia Africana de Ciências (AAS), a Agência de Desenvolvimento da União Africana (AUDA-NEPAD) em parceria com a Agência Sueca de Cooperação para o Desenvolvimento Internacional (Sida) recebe propostas para enfrentar um novo Grande Desafio: Promover e facilitar soluções inovadoras para alcançar a Segurança Alimentar e a Nutrição na África.

Prazo de inscrição: 4 de dezembrode 2020 às 23:59hrs Hora da África Oriental

Sobre o Prêmio: A GC Africa financiará investigadores africanos através desta chamada GC Africa Food Security and Nutrition (FSN). Estamos buscando soluções inovadoras de desenvolvimento global e saúde relacionadas à obtenção de segurança alimentar e nutrição e agora estamos aceitando propostas de aplicações. Sujeitos aos requisitos de elegibilidade nas Regras e Diretrizes da GC África, os investigadores são convidados a se candidatar, com o apoio da organização primária onde estão afiliados, e onde o grande programa de trabalho será realizado. Os subsídios serão para pesquisadores em países africanos, mas encorajamos parcerias com investigadores de outros países, especialmente onde existe a oportunidade de construir novas ou fortalecer colaborações existentes.

Os candidatos podem estar em qualquer nível de experiência e trabalhar em qualquer disciplina, de qualquer organização, incluindo faculdades e universidades, laboratórios governamentais, instituições de pesquisa, organizações sem fins lucrativos e sem fins lucrativos.

Tipo: Concede

Elegibilidade: Projetos que aplicarão e permitirão a adoção de novas tecnologias, inovações e políticas em pelo menos uma das seguintes áreas-chave para:

  1. Garantir sistemas alimentares resilientes ao clima
  2. Promover tecnologias, inovações e agronegócios para atingir metas de segurança alimentar e nutrição
  3. Abordar questões transversais que promovem a segurança alimentar e a nutrição
  4. Alcançar as metas nutricionais e de saúde da União Africana
  5. Combater a comercialização sustentável e a produção de alimentos indígenas

Os projetos devem ter como objetivo desenvolver inovações ou intervenções que abdorem pelo menos um aspecto da segurança alimentar e nutrição (acesso, disponibilidade, utilização e sustentabilidade) ou fornecer novas formas baseadas em evidências para fortalecer e promover a eficácia desses aspectos para as soluções existentes. Tais soluções podem incluir, mas não se limitam a modelos, estratégias, ferramentas, serviços, tecnologias e processos. Buscamos soluções ideais que apliquem um fundo

compreensão do usuário final e considerar as restrições contextuais da implementação.

Os projetos devem ser relevantes para o fortalecimento dos sistemas de segurança alimentar e nutrição e podem ter como alvo os principais atores, como indivíduos, famílias, comunidades, agricultores, prestadores de serviços e componentes de infraestrutura alimentar, redes e sistemas.

Exemplos do que consideraremos financiar inovações que:

  • Destaque e aumente as intervenções que aumentam a resiliência dos sistemas agroalimentares a choques climáticos (seca, pragas, inundações ou pandemias como COVID-19 etc).
  • Fornecer opções acessíveis e aceitáveis para escalar práticas agrícolas inteligentes climáticas, por exemplo, reduzir as emissões da agricultura, evitar a perda de biodiversidade, evitar a degradação do solo e o esgotamento dos nutrientes do solo etc.
  • Investigar práticas agrícolas que podem reverter os impactos negativos da agricultura intensiva e, ao mesmo tempo, combater a insegurança alimentar aguda e crônica.
  • Desenvolver medidas para o acesso de alimentos densos e acessíveis por comunidades de baixa renda para enfrentar múltiplas cargas de desnutrição (desnutrição, deficiências de micronutrientes, sobrepeso e obesidade) ao mesmo tempo em que mitiga os impactos negativos da transição alimentar.
  • Metas de atividades que mitigam restrições específicas da comunidade para melhorar o estado nutricional de grupos específicos – bebês, crianças, adolescentes, gestantes e lactantes, idosos, indivíduos doentes ou convalescentes etc.
  • Pesquisa o potencial dos sistemas alimentares indígenas na prevenção da onda de doenças não transmissíveis, deficiências de micronutrientes, desperdício, desnutrição, obesidade e sobrepeso na África.
  • Priorizar políticas que promovam o acesso e a acessibilidade de alimentos nutritivos por grupos vulneráveis.
  • Promover o uso da agricultura, alimentação e nutrição como fator de desenvolvimento socioeconômico; equidade e inclusão; estabilidade, e para garantir paz e segurança.
  • Desenvolver estruturas que promovam avanços em sistemas agroalimentares, soluções caseiras para a insegurança alimentar, instalações de treinamento para novas gerações de atores nos sistemas agroalimentares, por exemplo, jovens agricultores, comerciantes, inovadores, pesquisadores, etc.
  • Identificar estratégias para melhorar a produtividade nos sistemas de agroalimentos indígenas, incluindo culturas indígenas e pecuária.
  • Identificar o apoio necessário para o desenvolvimento do setor de produção de sementes para alimentos densos em nutrientes, como frutas e hortaliças, bem como alimentos subutilizados e indígenas, incluindo a pecuária.
  • Pesquisar cadeias de valor de mercado para alimentos indígenas, seus testes de segurança e eficácia, incluindo marketing e percepções de consumidores.
  • Construir sistemas alimentares diversificados e sustentáveis que promovam padrões alimentares ricos em densidade de nutrientes (por exemplo, frutas, legumes, leguminosas, grãos integrais, insetos etc.) e padrões de rebaixamento de alimentos altamente processados, densos em energia e de baixo nutrientes.
  • Promover tecnologias/inovações que minimizem perdas pré-colheita e pós-colheita e/ou desperdício geral de alimentos através de padrões de consumo, como armazenamento de alimentos, tecnologias de reciclagem, padrões alimentares etc.
  • Promover inovações que diminuam a contaminação de alimentos, por exemplo, aflatoxinas e outras fontes de doenças transmitidas por alimentos.
  • Promover práticas de pecuária sustentáveis que possam reduzir infecções e dependência de antibióticos.

Critérios de seleção: Os critérios para o sucesso incluirão soluções que:

  • Poderia contribuir para um portfólio de projetos financiados que abordasse as principais prioridades ou desafios regionais de um país.
  • Incorporar claramente medidas de sucesso razoáveis para o tempo de vida da concessão (24 meses).
  • Incorporar múltiplas áreas de inovação ou ampliar kits de ferramentas de intervenções, especialmente conjuntos de intervenções visando combinações de resultados que abrangem o espectro de objetivos traçados para esta chamada.
  • Ter um plano de projeto pelo qual, após dois anos, o término da fase I, os beneficiários estarão em posição de explorar como os resultados de seu projeto poderiam informar a concepção de um pacote colaborativo mais extenso de trabalhos que podem ser submetidos ao financiamento da fase II.
  • Abordar barreiras e restrições bem identificadas que serão resolvidas através da implementação de programas localmente relevantes.
  • Explique como as inovações e intervenções propostas serão eventualmente testadas nas comunidades para que tenham a maior probabilidade de serem relevantes para a implementação de forma mais ampla nos sistemas do país.
  • Fornecer dados ou evidências para soluções eficazes de segurança alimentar e nutrição.
  • Abordar iniquidades em segurança alimentar e nutrição.
  • Pode potencialmente se basear em parcerias existentes, que serão essenciais para alcançar resultados em escala.

Países elegíveis: Países africanos

Número de prêmios: Não especificado

Valor do Prêmio: Os prêmios de Segurança Alimentar e Nutrição (FSN) financiarão projetos de até US$ 100.000 por um período máximo de 2 anos. Esses prêmios são subvenções de sementes (fase I) destinadas a fornecer uma oportunidade para testar ideias particularmente ousadas e conceituais, incluindo a aplicação de abordagens de fora dos campos indicados para esta chamada. Novas abordagens poderiam ser pilotadas como adições a projetos em andamento. Os vencedores das bolsas GC Africa-FSN terão a oportunidade de solicitar o follow-on, transição para financiamento em escala no futuro, mas por favor note que o apoio ao financiamento da fase II NÃO faz parte desta chamada.

Chamadas futuras da fase II – Financiadas em até USD 1 milhão por projeto de três anos, os prêmios da fase II exigem dados preliminares substanciais (a serem coletados durante a fase I) e destinam-se a fornecer uma oportunidade de desenvolver, refinar e testar rigorosamente combinações de atividades, incluindo conjuntos de intervenções para as quais alguns ou todos já mostraram promessa em configurações controladas ou limitadas. Esperamos que projetos bem-sucedidos financiados sob esta chamada, e que demonstrem resultados promissores, tenham a oportunidade de solicitar o financiamento da fase II, seja para a GC África ou diretamente para nossos parceiros.

Em todos os casos, os orçamentos individuais dos projetos devem ser representativos do escopo e magnitude dos estudos propostos e cuidadosamente projetados para obter o melhor valor possível fora do prêmio. A instituição, organização ou empresa vencedora do candidato também será obrigada a fornecer garantias sobre sua capacidade de gerenciar a concessão por meio de cartas detalhadas de apoio do escritório de pesquisa ou suporte à inovação apropriado. A AAS reserva-se o direito de realizar visitas ao site de due diligence às organizações que hospedam candidatos bem-sucedidos antes de fazer prêmios finais.

Como aplicar: As inscrições devem ser enviadas através do Portal de Aplicação Online da AAS Ishango.

  • É importante passar por todos os requisitos de inscrição na Página do Prêmio (veja Link abaixo) antes de se candidatar.

https://www.aasciences.africa/calls/grand-challenges-africa-innovation-phase-1-seed-grants-round-12-request-proposals-food

Categorias