O ano de 2020 representa um marco nos esforços para promover e proteger os direitos das mulheres, tanto globalmente quanto continentalmente. Marca o vigésimo quinto aniversário da Plataforma de Ação de Pequim, o vigésimo aniversário da Resolução do Conselho de Segurança das Nações Unidas (UNSCR) 1325; o décimo sétimo aniversário do Protocolo Maputo, e o décimo sexto aniversário da Declaração Solene sobre igualdade de gênero na África (SDGEA).

O aniversário da UNSCR 1325, em particular, fornece uma plataforma útil para uma chamada de clarion para acelerar os esforços para alcançar os objetivos da Agenda das Mulheres, paz e segurança (WPS). A UNSCR 1325 também fornece um poderoso quadro normativo para galvanizar ações multifacetadas e multinentais para garantir que as necessidades, vozes e perspectivas das mulheres para prevenir, resolver e recuperar conflitos e construir uma paz sustentável sejam efetivamente representadas.

Não há dúvida de que algum progresso foi feito no avanço das mulheres, da paz e da agenda de segurança no continente. No entanto, é preciso fazer mais, particularmente para reduzir a diferença de gênero nas intervenções relacionadas à paz e à segurança. As barreiras estruturais ainda inibem a participação das mulheres, enquanto a ausência e a não utilização de dados desagregados de gênero resultam em análises desordenadas e mascaram o impacto de planos, programas e ações para melhorar a igualdade entre homens e mulheres. Da mesma forma, a falta de dados desagregados de gênero torna invisível a verdadeira contribuição das mulheres para a evolução em todas as esferas da vida.

É nesse contexto que o Programa de Paz e Segurança de Gênero (GPSP), em colaboração com o Programa de Treinamento para a Paz (TfP) África, bem como os Clusters de Gênero e Paz e Segurança do Conselho Econômico Social e Cultural (ECOSOCC), estão lançando uma campanha sobre o 20º aniversário do UNSCR 1325. A campanha fará um balanço dos avanços na implementação da Agenda das Mulheres, da Paz e da Segurança no continente, dos desafios enfrentados e do caminho a seguir para enfrentar esses desafios. A campanha, intitulada “Minha voz, Minha Ação”, é proposta para ter três componentes principais:

• Identificar lições úteis nos esforços da União Africana e de seus Estados-Membros na promoção dos direitos das mulheres e da igualdade de gênero para se basear nos avanços realizados;
• Reconhecer e documentar o papel e as contribuições das organizações da sociedade civil (OSCs), em particular, aquelas que trabalham com questões femininas, na implementação da agenda do PM; e

• Apelar para o aprimoramento dos esforços para promover e proteger os direitos das mulheres por meio de uma tomada de decisão mais responsiva ao gênero, orientada por relatórios sensíveis ao gênero.

Diante disso, estamos lançando um edital para aplicações para todos os CSOs africanos interessados em fazer parte da campanha e ativamente envolvidos na agenda do WPS.

CRITÉRIOS

DE ELEGIBILIDADE Os CSOs que buscam apresentar suas

aplicações devem atender aos seguintes requisitos de elegibilidade: 1. Seja um CSO nacional, regional ou continental engajado nas áreas de mulheres, paz e segurança;
2. Ter objetivos e princípios coerentes com os princípios e objetivos da União Africana, conforme estabelecido nos artigos 3º e 4º do Ato Constituinte;
3. Estar registrado em um estado-membro da União Africana;
4. Os CSOs que discriminarem com base na religião, gênero, tribo, etnia, raça ou base política serão impedidos de participar da campanha;
5. Adesão ao Código de Ética e Conduta para OsCs filiados ou que trabalham com a União Africana.

INSCRIÇÃO

Todos os CSOs interessados em fazer parte da campanha são solicitados a enviar o seguinte:

1. Curta introdução da organização e seu mandato;

2. 2-3 principais realizações ou histórias de sucesso da organização em relação a um dos quatro pilares da UNSCR 1325 (participação, prevenção, proteção, alívio e recuperação). Seja específico em relação ao impacto que o trabalho teve na área do pilar selecionado, e como uma intervenção resultou em verdadeiro impacto nas experiências vividas das mulheres;

3. 2-3 recomendações sobre como garantir progressos sustentados na implementação da agenda das mulheres, da paz e da segurança. Este componente pode se basear nas lições aprendidas de intervenções que foram tentadas, mas não bem sucedidas, e pretende fazer um balanço produtivo dos desafios e até mesmo das falhas encontradas no contexto das mulheres, da paz e da segurança, como base para a elaboração de intervenções mais bem sucedidas e;

4. Representação de mídia (imagens ou vídeos) das organizações selecionadas trabalham no pilar selecionado.

Tanto as conquistas quanto as recomendações devem desenhar e representar os relatos de experiências vividas no campo das mulheres, paz e segurança. Os candidatos são altamente incentivados a refletir o tema “Minha Voz, Minha Ação” da campanha, narrando suas histórias de sucesso, lições aprendidas e recomendações através das vozes e experiências das mulheres cujas vidas buscam impactar e melhorar em relação à UNSCR 1325. Os candidatos são encorajados a “contar a história” dessas mulheres através de narrativas da vida real que podem ser capturadas por escrito ou em outras mídias visuais, como a fotografia. Na realização da seleção, serão aplicados os princípios da paridade geográfica.

Todas as submissões devem ser incluídas em um único documento (palavra/PDF) e enviadas para o seguinte endereço de e-mail myvoicemyaction@africa-union.org sob a linha de assunto “MY VOICE MY ACTION- CSO APPLICATION”

A data de encerramento da apresentação dos pedidos com todos os documentos comprobatórios é 30 de setembro de 2020. As inscrições recebidas após esse prazo não serão consideradas.

Mais info em:

https://au.int/en/announcements/20200905/call-application-my-voice-my-action-cso-application

Categorias